quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Oração de Olhos Abertos



Desde criança, aprendemos a orar. Essa é uma das atividades mais nobres que um homem pode praticar. Devotar-se a uma conversa com o criador do universo é de um valor que, às vezes, ignoramos. Os grandes homens da história oravam. O mestre dos mestres dedicou boa parte de sua vida à prática da oração.

Voltando para o exemplo dos pequeninos, é curioso notar que, ao aprender a “falar com papai do céu” uma criança é orientada a fechar seus olhos. Corretamente, essa instrução evita que ela se desconcentre. De olhos fechados, em tese, é mais fácil permanecer pensando em Deus.

Não são, entretanto, apenas as crianças que oram de olhos fechados. Jovens e adultos também o fazem. A tentação à dispersão não é peculiaridade das crianças. Se não tomamos cuidado, nós também nos desconcentramos com facilidade, caso não fechemos nossos olhos para orar.

Entretanto, é de suma importância compreender que, num certo sentido, a oração deve ser feita de olhos abertos. Por olhos abertos, me refiro à necessidade de estarmos atentos ao que acontece, a fim de que levemos a Deus em oração nossas necessidades, bem como as daqueles que estão ao nosso redor. Os olhos que precisam permanecer abertos em nossas orações são os olhos de nossa consciência! Aqueles que nos farão atentar para o que acontece, a fim de que levemos ao trono da graça as necessidades que contemplamos ao longo da história.

O ato físico de se fechar os olhos tem sido substituído, atualmente, pelo bloqueio de nossa consciência quanto a tudo o que acontece ao nosso redor. Neste sentido, os que oram de “olhos fechados” [i.e. olhos da consciência], simplesmente ignoram que há outras coisas, além de nossas necessidades e caprichos, que precisam ser apresentadas a Deus. Orar de “olhos abertos”, seguindo a mesma lógica, portanto, não é uma opção, mas uma necessidade.

Quer você feche seus olhos ou não para orar, sua consciência precisa estar atenta às necessidades que se apresentam ao seu redor. Sim, olhos fechados e abertos! Os físicos, fechados, caso seja essa a forma mais fácil de concentrar-se. Os mentais, contudo, abertos; sempre atentos ao que acontece neste mundo. Assim, faremos das nossas orações relevantes instrumentos de justiça neste mundo que tanto precisa da graça de Deus.

3 comentários:

Just disse...

Muito bom!
Não é fácil mesmo manter a concentração quando oramos, e quando oramos estamos de "olhos fechado" não vai srevir para muita coisa.
Deve ser por isso que Paulo diz que não sabemos orar.
Manda ver Vasão

Marina disse...

Já conhecia esse texto! rssss
Vem cá, quem esse esse Just que comentou antes de mim??????? Ahhhhhhhhhh!!!!
beijo

Anônimo disse...

creio que todos devem orar de olhos abertos olhando para céu de joelhos, em culto ao Pai que está em secreto,
pois na oração sacerdotal do salvador diz:

Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;
Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste.

João 17:1-2

devemos imita-lo como ele orava e sempre se ocultava de pessoas sempre em oculto em secreto.