sexta-feira, 5 de junho de 2009

O silêncio de Deus


Ainda impactado pela tragédia do último domingo, tenho sido alvo das clássicas perguntas que, em situações como estas, assolam a mente das pessoas. Por que Deus permitiu que aquele desastre acontecesse? Por que tantas famílias foram destroçadas de forma tão cruel? Será que Deus quis que todo mundo morresse de forma tão dramática?
Confesso que perguntas dessa natureza estão entre as mais desconfortáveis de serem respondidas, em minha opinião. É que eu não consigo engolir algumas respostas que damos aos que sofrem por causa dessas catástrofes. Além disso, sei que algumas possíveis respostas aumentam-lhes a dor, ao invés de amenizá-las.
Não tenho a menor dúvida de que Deus sabe porque aquilo aconteceu. Não estou entre os que sustentam a tese de que Deus é surpreendido por alguns acontecimentos. Entretanto, também não acho que dizer que Deus quis a morte de 228 pessoas daquela forma seja a melhor resposta a tais questionamentos.
Para ser honesto, creio que questionamentos dessa natureza estão entre aqueles para os quais não há resposta. A despeito de vivermos como se a lei da causa/efeito explicasse todas as coisas, precisamos admitir que há respostas que estão e permanecerão escondidas em Deus. Na verdade, há muito mais coisas ocultas do que reveladas. E por mais que isso não amenize nossa dor, precisamos aprender a conviver com o silêncio de Deus. Ele resolveu esconder muitas respostas em seu ser. E como, nesse mundo, é ele quem dá as cartas do jogo, é bom nos acostumarmos com o seu silêncio.

2 comentários:

Daniel Amaral disse...

Fala Daniel;

Passando para deixar um abraço!

Imagino como seja difícil lhe dar com o silêncio de Deus, sou muito ansioso para isto. Mas, se já exercitamos o amor de um Deus presente em Espírito em nossas vidas, creio que isto já seja um começo para aprendermos a confiar e a esperar em Deus.

Boa semana vasão!

Jonaziel disse...

Eu tento ender o surpriendente amor de Deus pela simplicidade de que nos toca através de seu silêncio. O seu amor, nos constrange de uma tal forma que apenas seu silêncio pode confortar. Esse silêncio que chega a cofrontar o homem exterio e trazer paz ao interior. Eu não sei como Ele faz isso, só sei que confio em seu silêncio.