quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Um Deus sem mãos presta?


Você já reparou nos museus que as estátuas gregas e romanas que representam divindades têm, quase todas, seus braços cortados? É porque na antiguidade a primeira coisa que acontecia quando uma cidade era invadida era a amputação desses membros nos monumentos religiosos.
Uma divindade sem braços era, na leitura popular, uma divindade impotente.
Lembrar disso me fez repensar minha relação com Deus. Será que eu serviria a um Deus sem braços? Ainda amaria um Deus que nada pode fazer por mim? Um Deus sem mão presta?
Penso que, lamentavelmente, muitos o abandonariam - tal qual as estátuas desprezadas. Por que? Bem, talvez porque não saberiam mais conversar com ele. Estão tão acostumados a conversar com suas mãos que pensam que um Deus sem mãos é um Deus sem face.
Às vezes acho que se Deus "cortasse" suas mãos, a qualidade de nossa relação melhoraria muito. Porque aí deixaríamos de servi-lo pelo que ele faz, e o serviríamos pelo que ele é. Acho que não pode ser pelo que ele faz; tem que ser pelo que ele é. Não sei... só acho.

2 comentários:

Patrick Rodrigues Official disse...

É verdade Daniel...
As vezes fico pensando exatamente nisso. As pessoas estão acostumadas a irem as igrejas buscar algo e, infelizmente esse algo não é Deus!
É aquilo que os braços dele pode fazer!
É isso que eu acho...
Abraços

Teka Cristo disse...

Concordo! Plenamente!