terça-feira, 4 de agosto de 2009

Unidos pelo Sangue

Hoje entendo um pouco mais a carta aos Efésios. Não! Não acabei de fazer uma exegese do texto. Apenas me mudei. Mudei de país, de continente, de cultura. Mudei a hora de comer, de dormir e levantar. Mudei e ainda mudarei muitas outras coisas.
Acontece que comecei a entender, na prática, o mistério revelado por Paulo ao povo que se reunia na cidade de Éfeso. Com alegria, o apóstolo anunciava aos seus irmãos efésios que Deus fizera o impossível: juntara, debaixo da mesma bandeira, homens que, de outra forma, jamais estariam unidos.
Judeus e gentios eram, no primeiro século, quase como água e óleo; não se misturavam. Isso, principalmente, por causa da mentalidade exclusivista do judeus. Achavam, estes, que eram melhores do que aqueles por terem sido escolhidos por Deus na história. Em Efésios, portanto, Paulo mostra aos cristãos que acontecera com eles o que jamais aconteceria, não fosse a mão de Deus: a união dos povos pelo sangue de Cristo.
Hoje eu tenho entendido melhor essa verdade. Todas as mudanças mencionadas no começo desse texto me fariam pensar que estou cada vez mais distante do povo no meio do qual me encontro. Percebo, entretanto, que a lógica natural falhou. Estou unido a eles, a despeito de todas as barreiras. O sangue que uniu judeus e gentios também tem me unido, brasileiro, ao povo da Escócia por quem Cristo morreu. E isso me faz amar ainda mais a Bíblia; perceber como, sendo tão diferentes, somos tão iguais.

Um comentário:

Anônimo disse...

Então, vocês já tem algo em comum... A língua pode ser diferente mas a glorificação será a mesma. Aleluia!

Abçs,
Rejane