segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Sobre a saudade (2)

Nunca a ausência se mostrou tão presente. Por que ela nunca avisa quando vai chegar? Eu queria poder me preparar para enfrentá-la. E por que ela parece não ir embora? Queria aliviar esse aperto que ela traz ao meu peito. Mas tentando tirar o lado bom dessa história, ao menos ela me mostra como há pessoas que fazem muito mais parte da minha vida do que eu imaginava. O problema? Eu não sei se isso a aumenta ou diminui. E enquanto eu não descubro, vou convivendo com ela do jeito que dá.

4 comentários:

Anônimo disse...

Dani,essa saudade que faz doer no seu peito,faz doer no coraçao de todos aqueles, que tem um imenso amor por voce pode ter certeza disso,e a melhor parte e que o Senhor nao nos desampara,e supri todas as nossas necessidades.Amamos Voce!Lucia Murilo e Pedro

Anônimo disse...

Pois é, D,MQFA, isso do lado daí. E
do lado de cá?Ela cansou de avisar:
"vou despontar!" Despontada, aí se alojou e também cá. Acolhida, longo
tempo quer ficar. Isso é bom, senão
acaba-se aquele "sonhar", daí e de cá. Abraços pros niteroienses. VGM.

Daniel Guanaes disse...

Pai, Lúcia, Murilo e Pedro: Saudades mil de vocÊs!!!!!!

Anônimo disse...

Daniel
A saudade só é medida, na sua extensão,pela alegria que sentimos no retorno,e isto é muito bom.Continue a ter saudades,pois isto representa a multidão de pessoas que ama, vocês e eu sou uma das primeiras da fila.Agora já estou me familiarizando com a internete...e isto por causa da saudade que sinto de vocês.Da "moderna e tecnológica " avó.