quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Sobre os fariseus

Quem disse que o farisaismo morreu no começo dessa era? Perpetuam-se aos montes os que, em nome de um suposto zelo pela verdade e agarrando-se às tradições, coam mosquitos e engolem camelos.
Vivem um Cristianismo desprovido da graça, visto que sua razão de ser é o frio e externo cumprimento da lei. Regozijam-se com isso, como se, por cumprirem-na, conquistassem algum tipo de justiça da parte de Deus.
Tolos! Mal sabem que da lei o que prevalece é seu espírito. Tornam-se surdos diante do ecoar das palavras de Cristo a seu respeito. Jamais se perceberão como sepulcros caiados, ainda que o eterno os tenha declarado como tais.
E continuam engajados na infeliz tarefa de preservar a lei que os condena. Vai entendê-los...

3 comentários:

Ricardo Mamedes disse...

Muito bem Daniel! Ah quantos sepulcros caiados grassam por aí, principalmente nas igrejas! O farisaísmo é uma quase verdade, ou a verdade não praticada de fato. E como é perigoso guiar-se pelo exterior das pessoas - razão pela qual está escrito: "maldito o homem que confia no homem". Assim, importa que adoremos a Deus em espírito e em verdade, tendo Cristo - e somente Ele - como a nossa rocha. Amplexos. Em Cristo.

Anônimo disse...

Caramba, Daniel! Até agora,além da boa opinião do Ricardo,ninguém mais
opinou! Assustados com o tema? Bem,
ouso eu, então. Gostei da alegoria
"coam mosquitos e engolem camelos".
Muitos, em nossos dias, fazem-se de
surdos às palavras severasDirigidas
por Jesus aos fariseus, conforme Mateus 23. Ótimo texto. Valmy

Daniel Guanaes disse...

Ricardo: O farisaísmo é o mal da humanidade. Nunca deixamos de lidar com ele, e só deixaremos quando na glória. abs e bem vindo!

Pai: O "coam mosquitos e engolem camelos" é do Mestre. E esse assunto sempre alfineta, né?!