terça-feira, 3 de novembro de 2009

Marcha para ou com Jesus?

Nada há, em tese, que me faça desgostar de eventos como a "Marcha para Jesus". Qualquer manifestação em prol de uma causa justa é válida. Acontece que, ano após ano, a passeata mencionada parece perder-se naquele que deveria ser seu foco. Posso estar errado em minha leitura, mas parece-me que muitos, dos milhões que marcham, o fazem em prol de seus líderes, mais do que em prol de qualquer outra coisa.
Consequentemente, isso suscita outra questão? Será que, de fato, o mais importante é marchar para Jesus. Qual o propósito de marchar para ele? Se a questão é fazer seu nome conhecido, a melhor forma de fazê-lo é marchando com ele.
Lendo os noticiários, surpreenderam-me as reportagens sobre intolerância dos manifestantes contra algumas minorias que - também cristãs - protestavam contra a abusiva conotação capitalista que julgavam nortear a marcha. Um líder, inclusive, do alto de seu carro de som, incentivava os manifestantes a rasgarem algumas faixas de outros que, no meio da multidão, clamavam pelo retorno ao cristianismo puro e simples e o fim do show (nesta última palavra, no lugar do "o" havia o desenho de uma moeda).
Com estes e tantos outros desdobramentos, o que supostamente deveria representar o céu, acabou ganhando conotação de inferno aos olhos de muitos que ali estavam. Reafirmo, com isso, o que acima registrei: Entre marchar para e com Jesus, fico com a segunda opção. O barulho de um dia marchando por ele não se sustenta diante da força de uma longa e árdua caminhada ao seu lado.

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, Dani!
Pior que eu sempre fico sabendo de confusões nessas passeatas!
mt triste!
bjs,
Marina

Fabio disse...

É a "Para do Orgulho Evangélico" Jesus ficou de lado há muito tempo!
Saudades manoooo!!!
Bjs