sábado, 14 de novembro de 2009

Nosso Encontro

A multidão parecia indicar sua presença. A cidade nunca havia ficado tão cheia. Além disso, desde sua primeira aparição todo grande ajuntamento sugeria alguma relação com ele. Nem sempre ele falava; mas havia algo em seu olhar que cativava quem quer que fosse.
Não guardava muita expectativa quanto a chegar perto dele, embora isso fosse o que mais desejasse. Tinha a impressão de que ele conhecia todos os meus dilemas, mesmo sem termos trocado sequer uma palavra.
Surpreendi-me quando ouvi o barulho se aproximando de minha rua. Morava longe das principais vias da cidade. Nunca ninguém passou por aqui. Por que ele, então, passaria?
Corri pra porta, tentando vê-lo mais de perto. Pra minha surpresa, foi exatamente pela minha calçada que ele passou. É claro que as multidões não me deixaram chegar muito perto. Algo me dizia, contudo, que aquela podia ser minha única chance. Esforcei-me, mas a única coisa que alcancei foi a orla de suas vestes. Esbocei uma frustração, quando percebi que - de repente - ele parou e conversou com seus amigos. Alguma coisa me dizia que estavam falando de mim - principalmente depois de terem olhado para trás. Seu olhar me alcançou, no meio da multidão. Eles seguiram seu caminho, e eu voltei pra casa aliviado. Alguma coisa me dizia que ele havia entendido meu recado. Acho que eu também entendi o dele. Acho...

6 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Lindo Daniel!

Vi postar!

Anônimo disse...

Lindo mesmo!

Marina

Fabio Barbi disse...

Já falei para vc fazer um livro né?

Ari disse...

Cheio de brilho e significado!

Anônimo disse...

Bela, concisa e eficaz narrativa! Penso, até, que próprias de contistas. Que se cuidem, os que já o são. Parabéns, filho. Valmy

Daniel Guanaes disse...

Danilo: Valeu mesmo! Seu blog cada vez mais interessante e provocativo!
Marina: Vc tá mandando ver no seu, hein. Tem um post lá que minha vó ia falar q parecia meu. hahahaha
Fabio: Tamo nesse projeto juntos, hein vaso.
Ari: Vindo de ti, Moshe! Valeu mesmo!
Pai: Que se cuidem, né!hahahah