quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O coxo, os amigos de Jesus e o mundo

Dinheiro sempre foi tudo o que ele quis. Nunca entendi a razão disso, já que ele nem mesmo conseguia sair da porta do templo - lugar onde, anos passados, o colocaram. Sua cara indicava um misto de indignação e simpatia (apesar de inconformado com sua situação, ele sabia que não se consegue um trocado fazendo cara feia). Seu vocabulário parecia limitar-se a "tem um trocado aí, chefe?" Impressionante como ele não desistia; mesmo passando dias, até semanas, sem receber ao menos uma moeda.
Às vezes jogavam-lhe comida; e nessas horas sua simpatia desaparecia. Mesmo com fome, ele lançava o que estivesse ao seu alcance sobre a pessoa, dizendo: "não sou cachorro, para que me lance ao chão comida". Já o escutei, certa vez, dizer a um senhor: "e não me apareça mais no meu templo!" Pobre e aleijado ele sabia que era. Mas sua dignidade ninguém tirava - ou seria o seu orgulho?
Foi quando, numa manhã, aqueles dois homens resolveram visitar a igreja. Eu podia imaginar quem eles eram, mas como aquele pobre homem haveria de saber? Seu mundo se resumia a um canto da porta do templo, e seu assunto era sempre, "tem um trocado aí, chefe?". Foi exatamente o que ele fez. Mal acabou de perguntar, já virou os olhos na direção dos próximos visitantes (embora vivesse fazendo perguntas, nunca esperava respostas). Curiosamente eles pararam. Nem chegaram a colocar a mão no bolso, mas pelo movimento da cabeça deu pra ver que nenhum trocado tinham pra oferecer.
E a conversa continuou. Eu daria tudo para ouvir. Sério! Porque, sem mais nem menos, aquele coxo se levantou, extasiado por saber que eles haviam ampliado seu mundo. Eu ainda não sei quem são, mas desconfio que sejam aqueles amigos do Nazareno. Tem coisa que só ele faz. Não, não estou falando de curar coxo; estou falando de ampliar nosso mundo!

3 comentários:

André Esteves disse...

Como de costume um texto interessante e bem elaborado... parabéns....

Daniel Guanaes disse...

Valeu, André! Forte abraço!

Anônimo disse...

Cabeção, vc tá bom nesse negócio de escrever, heim??? Saudades

Little Toni