segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O vale da morte e o lugar da vida

Eu me espantei quando o vi pela primeira vez. Não acreditava no que me diziam acerca dele. Viver entre os sepulcros nunca me pareceu razoável - a menos que você esteja morto. Pra ele, contudo, aquilo parecia não fazer diferença. Não arrisquei chegar perto. Na verdade, permaneci em um lugar fora do alcance de sua visão. Não queria mesmo que acontecesse comigo o que acontecera com alguns de meus amigos. Ele havia feito daquele vale a sua casa, e quem quer que passasse por ali era agredido brutalmente.
Algo me dizia que com o Nazareno as coisas seriam diferentes. E, pra minha sorte, ele resolveu visitar o Gadareno bem naquele dia. Me lembro, como se fosse hoje, da hora em que ele desceu o vale na direção do lugar dos mortos. Pela distância, não pude ver o olhar do Gadareno quando ele avistou o Mestre. Mas meu coração disparou quando o vi correndo em sua direção. Eu realmente acreditava que com ele tudo seria diferente, mas aquela corrida me assustou.
Cheguei a virar o rosto; não queria vê-lo apanhar descontroladamente. Já esperava os gritos de socorro, quando o silêncio me inquietou. Virando, deparei-me com uma das cenas mais bonitas que meus olhos puderam contemplar: prostrado, aquele homem adorava o filho do Deus altíssimo. Suas palavras duras condiziam com o poder das trevas que o oprimiam. Suas lágrimas, porém, não deixavam esconder seu desejo de ser liberto. Era sua chance de voltar a viver dignamente. Era a oportunidade de abandonar o vale da morte e encontrar o lugar da vida.
Como num piscar de olhos, tudo pareceu mudar. Ainda era o mesmo homem, mas completamente diferente. Percebi que ele insistiu para que o Nazareno o deixasse segui-lo. Este, contudo, disse algo apontando para a cidade. Acho que o mandou voltar pro lugar de onde antes saíra, a fim de testemunhar sua transformação. Afinal de contas, por que outra razão estamos aqui, senão para anunciar que deixamos o vale da morte e encontramos o lugar da vida?

Um comentário:

Marina disse...

Lindo demais, Dani!
Acho que o melhor até agora!

Até reli alto pra Bia escutar! Acho que ela gostou, pois chutou ao final!!!!

Amamos vc!

Marina e Bia