quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Ele e o mundo

Tentando conhecer o mundo, descobriu que dele mesmo pouco conhecia. Passou, então, a investigar a si mesmo. Foi quando descobriu que ele e o mundo não se dissociam; o outro é o um e o um é o outro. Formam-se e deformam-se, numa intrigante jornada de erros e acertos, avanços e retrocessos. Cansou-se de tentar descobrir quem era. Isso, porque tentou conhecer tudo de uma vez. Passou, então, simplesmente a viver. E descobriu que é vivendo que se conhece; um pouco de cada vez. Ele e o mundo; os dois, que na verdade são um.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que lucubração bonita, Daniel!Parabéns! Valmy.

Rejane disse...

Conitnuando...

Ele e o mundo; os dois, que na verdade são um...

E, embora sendo um pensam diferente, sentem diferente, agem diferente e reagem diferente, diferenças essas que se entrelaçam e se complementam resultando num completo soneto da metade inteira.

Que ousadia a minha... hehehe

Forte abraço,
Rejane

Daniel Guanaes disse...

Perfeito adendo... sempre autorizada! rs