sábado, 9 de janeiro de 2010

Ouvindo a voz de quem?

O discurso religioso encontra-se entre os mais perigosos. Ainda que sejam maravilhosas, as verdades religiosas podem funcionar como uma arma contra a sanidade. Não são poucas as pessoas que, em nome da religião, cometem absurdos das mais diversas naturezas.

As emissoras de televisão, ávidas pelos escândalos evangélicos, não deixam escapar nenhuma atrocidade cometida por pessoas que dizem professar a fé evangélica. O pastor que matou sua esposa; o evangélico que sonegou os impostos; o cantor que fatura milhões em nome de um suposto ministério; etc. No fim, para todos estes acontecimentos, a mesma justificativa: Ouvi a voz de Deus me direcionando.

Interessante reparar que nós, crentes no anonimato, também padecemos do mesmo mal. Somos, em diferentes contextos, tentados a dar à nossa vontade um caráter divino. Não poucas vezes justificamos nossas atitudes com o carimbo dos céus. "Deus me mandou dizer ou fazer isso", afirmamos. Caminhamos, assim, sem peso na consciência, crendo que - agradáveis ou não aos demais - nossos atos na terra refletem a instrução dos céus.

Devíamos, antes, aprender que a Bíblia revela ser a liberdade uma das virtudes com as quais fomos criados. Dentre outras coisas, isso significa que nós - e nós somente - somos responsáveis pelo que falamos ou fazemos. As orientações de Deus nos vêm através de sua santa palavra. O que passa disso deve ser tratado como fruto de nossas próprias decisões - o que não faz de nós pessoas menos espirituais.

Nada há de errado em ouvirmos a voz de Deus. Contudo, devemos ser honestos ao reconhecer que, na maioria das vezes, o que ouvimos é a voz de nosso coração. Isso não invalida nosso discurso. Antes, mostra que somos seres livres para pensar e decidir, debaixo da graça do Altíssimo, errando e acertando, enquanto enfrentamos o grande desafio de viver.

Essa é a minha voz,

Um comentário:

Anônimo disse...

Em escrita direta, sem requinte,
uma opinião simples e de conteúdo rico. Gostei, com destaque para o último parágrafo. Sob Sua graça,assumamos nossas decisões e administremos as consequências. Doendo ou não,é vida. É meu pensar.
Parabéns. Valmy