quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Como ele vê a vida

Ele nunca entendeu essa visão dicotômica da vida. Até tentou, por um tempo, fazer uso do vocabulário evangélico, já que, como qualquer pessoa, temia a exclusão por parte do seu grupo. Mas não durou muito; falar sobre "vida espiritual" e "vida secular" nunca lhe desceu goela abaixo.
Pra ele, vida é vida. Num boteco ou na igreja; falando de Jesus ou futebol, nada o torna menos ou mais espiritual do que aquilo no qual Cristo o transformou. E com isso está mais do que satisfeito.
Diz ele que há vezes nas quais um churrasco seguido de uma roda de samba o aproxima de Deus mais do que algumas atividades eclesiásticas. Eu acredito. Ninguém nega sua devoção e espiritualidade. Vejo nele Cristo. E através dele aprendi que a vida é uma só. Não se vive duas vidas. Para alguém que nasceu de novo, nada é secular; ainda as menos religiosas atividades tornam-se espirituais, quando realizadas por alguém cujo coração de pedra foi trocado por um de carne. Isso ninguém tira do coração dele. E eu espero que tampouco saia do meu. Quero viver a vida como ele faz, como Jesus fez; sendo apenas um aqui, ali e em qualquer lugar.

4 comentários:

Anônimo disse...

Ah, se todo mundo entendesse isso!
beijo
Marina

Anônimo disse...

Corajosa, bela e eficaz reflexão, Daniel. Parabéns. Valmy.

Anônimo disse...

Daniel,adorei a sua visão ,para mim correta,de vida secular e vida espiritual.Quando nosso coração está apaixonado por Jesus,e o Espírito de Deus vive em nós,qualquer atividade é feita como expressão de adoração a Deus,porque a visão de vida reta vem com a mudança que Jesus efetua em nosso coração.Estou amando esta sua posição realista e espiritual sobre este assunto.O que é mais importante para Deus:parecer ser cristão ou viver o cristianismo?Amo você.vovoObs:Não sei o que é melhor,ser sua avó ou ser sua ovelha.Acho que é você ser meu neto e pastor.RsRsRs

Daniel Guanaes disse...

Marina: ah... ia ser tão bom

Pai: merci!

Vó: Vc está uma internauta de primeira, hein. rs bjs