quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Quando elas se alinham

Tal qual o fascínio diante do encontro entre sol e lua, minh'alma pára quando transcendência e imanência se alinham na história. Deus, nessas horas, parece descortinar o outrora oculto, aguçando a semente da eternidade que ele mesmo plantara em nós. Tudo passa a fazer sentido. O incolor é tingido, o disforme toma forma, e somos cativados pelo belo de Deus.
Quando imanência e transcendência se alinham, a vida é regada com esperança. Quando imanência e transcendência se alinham, o distante parece perto. Quando imanência e transcendência se alinham, o impossível se torna real. Quando imanência e transcendência se alinha, o torto é endireitado. É Deus alinhando sua história com a nossa. Ou melhor, a nossa com a dele, já que esta última nunca saiu dos eixos.

Nenhum comentário: