quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Céu e terra lado a lado

Sempre me orgulhei por ter o coração nas coisas transcendentes. As grandes questões teológicas e filosóficas quase sempre ocupavam a minha mente. E quando Jesus chegou à minha cidade eu estava no meio de uma pesquisa sobre a eternidade.
Como faria qualquer intérprete da lei que estivesse em meu lugar, tentei colocar o Nazareno à prova. Perguntei-lhe o que deveria fazer para herdar a vida eterna. Quase ri quando ele me respondeu com outra pergunta. Geralmente faz isso quem não sabe o que dizer. Respondi, então, minha própria pergunta e o vi consentir com a cabeça. Ainda assim, tentei me justificar.
Foi nessa hora que ele começou a contar uma estória. Bastante comovente, por sinal. Afinal de contas, onde estavam aquele sacerdote e aquele levita com a cabeça para passar de largo pelo homem semi-morto caído na estrada para Jericó? Não custava nada parar! Enfim. Pelo menos o terceiro homem que descia a estrada parou. Parou e o ajudou. Ajudou-o, ajudando-me também a entender o que antes disse não saber: quem era o meu próximo.
Depois, em casa, fiquei pensando na genialidade daquele nazareno. Não me refiro ao fato de ele, sendo judeu, ter usado um samaritano para me explicar quem era o meu próximo. Refiro-me à sua sabedoria ao me mostrar que céu e terra caminham lado a lado. Começamos com a transcendência e terminamos com a imanência. Primeiro foi minha pergunta sobre vida eterna. Depois foi a  resposta dele sobre solidariedade. Começamos olhando pra cima. Terminamos olhando pro lado. E aprendi que céu e terra estão muito mais próximos do que eu podia imaginar.

Um comentário:

Anônimo disse...

Gloria a Deus pelo dom da escrita.