terça-feira, 29 de maio de 2012

De onde você fala?


Você já reparou como todo mundo fala de um lugar? Não me refiro a um lugar geográfico, mas existencial. Todo discurso é feito a partir de uma realidade vivencial, de uma experiência. Cada palavra proferida carrega consigo parte da história de quem a profere.
Uma pergunta que você não sabe porque foi feita. Uma reação desmedida a uma palavra que você utilizou. Risos ou lágrimas que brotam quando determinado assunto é mencionado. Tudo isso é sinal de que a extensão do nosso discurso antecede o início do primeiro fonema e ultrapassa o fim da última sílaba pronunciada.
Saber desta verdade pode nos ajudar na manutenção de nossos relacionamentos. Talvez, dando-nos um pouco mais de paciência quando alguém disser algo em tom um pouco mais exasperado. Ou fazendo-nos aumentar o respeito pelos que riem ou choram, ainda que não saibamos o que os levaram a tal.
Relacionamentos são tão imprevisíveis quanto a direção do vento. Exatamente por esta razão, quanto mais soubermos acerca de sua dinâmica, mais capazes seremos de otimizá-los.
Diante de qualquer discurso – principalmente o seu próprio - pergunte a si mesmo: de onde você fala? Tente se lembrar do que havia antes de as palavras serem proferidas, e que o levou a dizer o que disse. Busque saber também o que, não tendo sido dito, continuou a ecoar dentro de si depois do ponto final. Sempre há mais coisa dita do que aquilo que é falado.

5 comentários:

Marina disse...

Você, definitivamente, tem que instalar um botão de curtir pra linkar pro fb!
Texto excelente!
beijos

Daniel Guanaes disse...

Marina, você precisa me ensinar a fazer isso, então. rs
bjs

Anônimo disse...

Olá Daniel,
Tô curtindo!!
abraço grande,
Dilma

Cecilia Leite disse...

Dani,

Amei esse texto!!!!!!!!!!!!

Cecíla

Cecilia Leite disse...

Daniel,

Amei este texto, maravilhoso!!!!